Boteclando

Topo
Boteclando

Boteclando

Um bar, um time, um dibre

Miguel Icassatti

2023-08-20T18:00:37

23/08/2018 00h37

Caneca de chope do Boi na Brasa / Foto: Miguel Icassatti

 

Restaurou minha fé quando menino, cuidou de mim quando adolescente e, quando me tornei um jovem adulto, o bar me acolheu de vez. "Bar Doce Lar", J. R. Moehringer

 

Naqueles anos incríveis, os sábados começavam com um misto frio (três fatias de queijo prato e três de presunto no pão francês às vezes dormido) mais uma garrafa de guaraná e três fichinhas pro jogo de bilhar.

Até o meio-dia, eu os veria conquistar duas vitórias seguidas, primeiramente do Segundo Quadro e, depois, do Primeiro Quadro. Aos 8 anos e alçado ao posto de mascote do Proálcool Futebol Bebuns e Mulher, o maior time de futebol de salão de todos os tempos, sou capaz de jurar que aquele time jamais perdeu um jogo.

O Proálcool tinha sido formado por um grupo de amigos que haviam e/ou nascido e/ou crescido no Belenzinho, bairro da zona Leste onde minha família foi morar, quando voltou a São Paulo depois de dois anos, sem meu pai. Toninho, Clóvis, Marquinho, Zinho, Molla, Paulinho, Bê, Roberto, Carlão e Gerente, entre outros, esbanjavam categoria e algumas paulistinhas, no vigor de seus 20 e tantos ou 30 e poucos anos. Era 1984 e o Proálcool recebia os adversários da Liga do Batalha no caldeirão da quadra da AAA Brasinha, na Mooca.

Ao final dos jogos, o time saía em carreata para o almoço. O destino podia ser uma churrascaria mooquense na Avenida Paes de Barros, um boteco do qual já não me lembro o nome, o Peru's ou o Formiga (todos no Belém) ou ainda o Boi na Brasa, na esquina das ruas Marquês de Itu e Bento Freitas.

Quem furasse alguns semáforos e chegasse primeiro, além de garantir a mesa, já adiantava parte do pedido: porção de linguiça (R$ 29,90), batata frita à portuguesa (R$ 17,90) e a salada de agrião (R$ 9,90).

Depois vinham a picanha à Boi na Brasa (com alho e mais agrião, R$ 92,10), a alcatra (R$ 71,90, com arroz e batata frita) e algum outro corte que era assado na churrasqueira, enquanto os copos de caipirinha (R$ 15,40) iam se multiplicando sobre a mesa, assim como as canecas de alumínio nas quais era servido o chope (R$ 8,70).

Passaram-se vinte anos sem que eu voltasse ao Boi na Brasa, até que o chef Benny Novak (do ICI Bistrot) me disse, durante uma entrevista, em 2004 ou 2005, talvez, que costumava comer a bisteca do Boi na Brasa.

Inaugurado em 1975, o Boi na Brasa é um sobrevivente na região central, num pedaço da então romântica Boca do Lixo.

Desde a dica do Benny, voltei a frequentar regularmente o Boi na Brasa e perdi a conta das vezes em que, confesso, deixei a marca de meus incisivos na borda das canecas de chope, bebida que passou a acompanhar meu invariável pedido: bisteca (R$ 55,90, com farofa) com as fritas à portuguesa.

Lembro-me especialmente do sábado em que eu mesmo puxei uma carreata pós-futebol, desde o Clube de Regatas Tietê, onde batia uma bolinha com meus amigos do Pari. Era a minha vez de fazer as honras. E de outro sábado, num período pré-carnaval, em que apresentei o Boi na Brasa às minhas filhas.

Ao tê-las visto correndo por entre as mesas, depois da inestimável ajuda dada a este carnívoro de meia-idade para vencer a bisteca, transportei-me aos anos invencíveis do Proálcool quando, já satisfeito, eu pegava a bola e saía dibrando as pernas das cadeiras pelo salão. Aquele time restaurou minha fé quando menino.

Vai lá:

Boi na Brasa. Rua Marquês de Itu, 188, Vila Buarque.

Sobre o autor

Miguel Icassatti é jornalista e curador da Sociedade Paulista de Cultura de Boteco. Foi crítico de bares das revistas “Playboy” (1998-2000) e “Veja São Paulo” (2000), editor-assistente e um dos fundadores do “Paladar/jornal O Estado de S. Paulo” (2004 a 2007), editor dos guias “Veja Comer & Beber” em 18 regiões brasileiras (2007 a 2010), editor-chefe do Projeto Abril na Copa (Placar) e da revista “Men’s Health Brasil” (2011 a 2014). É colunista de “Cultura de Boteco” da rádio BandNews FM e correspondente no Brasil da “Revista de Vinhos” (Portugal).

Sobre o blog

Os petiscos, as bebidas, os balcões encardidos, as pessoas e tudo que envolve a cultura de boteco e outras histórias de bar.