Boteclando

PUBLICIDADE
Topo

Histórico

A ciência (ou a arte) de transformar uísque em álcool gel

Miguel Icassatti

03/06/2020 04h00

Passados 2020 anos, a ciência ainda não conseguiu explicar como é que se deu a milagrosa transformação da água em vinho. Mas quando o assunto versa sobre os benefícios do álcool, de uma forma ou de outra, os cientistas vêm trabalhando – e bem.

Sabe-se, por exemplo, que o gim foi inventado nos laboratórios da Universidade de Leiden, na Holanda, no século XVII, pelo médico e professor alemão Franciscus Sylvius de la Boe. Destilado a partir do zimbro e, posteriormente, de outros botânicos, o gim passou a ser receitado na época para o tratamento de dores de estômago.

Mais adiante a eficácia desse receituário foi contestada mas, convenhamos, o mundo perderia boa parte de sua graça sem o Dry Martini, o Negroni, o Gim Tônica e o Caju Amigo, apenas para ficarmos em quatro drinques que têm como base o gim.

Negroni: o que seria dele sem o gim? / Foto: Miguel Icassatti

No século XIX, por sua vez, o químico francês Louis Pasteur fez uma das maiores descobertas da história da humanidade a partir de pesquisas com vinho e cerveja. No livro Études sur la Bière (Estudos sobre a Cerveja), de 1876, Pasteur provou que a ação de bactérias era responsável por estragar a cerveja. Propôs, então, uma solução para o problema: o processo que hoje conhecemos como pasteurização e que revolucionou a produção e a conservação de muitos alimentos, dos derivados do leite à… cerveja, é claro.

Fac-símile da obra de Louis Pasteur: um brinde ao vinho / Foto: reprodução

Conforme publicamos aqui no blog – e devidamente abalizados pela ciência –, o hábito de beber sem exageros pode fazer bem à saúde (leia o texto "Afinal, o que é 'beba com moderação'?").

E vem lá do interior do Rio Grande do Sul mais um recentíssimo e singelo exemplo da boa relação entre a ciência e o álcool, com resultados práticos incontestáveis.

Na quinta-feira passada, 29 de maio, representantes da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), em Bagé, doaram a duas entidades filantrópicas locais 160 litros de álcool glicerinado 70% e 77% produzidos a partir da destilação de bebidas apreendidas pela Receita Federal. É isto: rótulos de uísque e vodca contrabandeados foram transformados em um dos produtos que mais ajudam a evitar a contaminação do novo coronavírus.

Trata-se de uma ação coordenada pelo projeto Etanóis, que reúne pesquisadores das áreas de química, farmácia, engenharia de alimentos e engenharia química da Unipampa que, desde março passado, já distribuiu exatos 4.981 litros de álcool gel e glicerinado a organizações não governamentais (ONGs) e prefeituras da região da fronteira com Uruguai e Argentina e também da Campanha gaúcha, entre os quais Candiota, onde, aliás, são produzidos ótimos vinhos – legalmente, é bom que se diga. Somente do câmpus de Bagé saíram 1240 litros de álcool glicerinado.

E já que Boteclando também é cultura, convém dizer que o processo utilizado nessa conversão de uísque e vodca em álcool glicerinado é o da destilação fracionada. Por esse método, a água e o etanol são separados por meio da evaporação. Em seguida, a condensação transforma os vapores em líquido. Na destilação, as substâncias aromáticas e de sabor da vodca e do uísque são, enfim, retiradas.

Uma boa notícia que merece ser celebrada com um bom Negroni ou uma dose de scotch.

Uísque: matéria-prima para álcool gel / Foto: Bejamin Thompson Creative Commons https://commons.wikimedia.org/wiki/File:A_Glass_of_Whiskey_on_the_Rocks.jpg

Sobre o autor

Miguel Icassatti é jornalista e curador da Sociedade Paulista de Cultura de Boteco. Foi crítico de bares das revistas “Playboy” (1998-2000) e “Veja São Paulo” (2000), editor-assistente e um dos fundadores do “Paladar/jornal O Estado de S. Paulo” (2004 a 2007), editor dos guias “Veja Comer & Beber” em 18 regiões brasileiras (2007 a 2010), editor-chefe do Projeto Abril na Copa (Placar) e da revista “Men’s Health Brasil” (2011 a 2014). É colunista de “Cultura de Boteco” da rádio BandNews FM e correspondente no Brasil da “Revista de Vinhos” (Portugal).

Sobre o blog

Os petiscos, as bebidas, os balcões encardidos, as pessoas e tudo que envolve a cultura de boteco e outras histórias de bar.